Informativo Cidade - O Portal de Notícias de Taquarussu - MS

Filhos investigam, descobrem que pai matou a mãe em SC há 37 anos e denunciam crime em MT

Depois que os filhos descobriram o crime, pai confessou e detalhou o assassinato à família. Vítima foi morta por pedir divórcio
Filhos investigam, descobrem que pai matou a mãe em SC há 37 anos e denunciam crime em MT
Irmãos investigam, descobrem que pai matou a mulher em SC há 37 anos e denunciam crime em Mato Grosso — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

Filhos investigam, descobrem que pai matou a mãe em SC há 37 anos e denunciam crime em MT

23/08/2019 11:19
Por Denise Soares, G1 MT

Seis irmãos procuraram a delegacia da Polícia Civil em Lucas do Rio Verde, a 360 km de Cuiabá, nessa terça-feira (20) e denunciaram que o pai matou a mãe deles no interior de Quilombo, Santa Catarina, há 37 anos. A vítima foi morta por pedir divórcio após descobrir que o marido tinha um caso com a empregada da família.

De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982. O marido, que hoje tem 78 anos, se casou com a mulher que era empregada do casal, supostamente sua amante na época do crime, e mora em Lucas do Rio Verde. Durante todos esses anos ele dizia aos filhos que a mulher tinha sido assassinada em um assalto.

Depois que os filhos descobriram o crime, o pai confessou e detalhou o assassinato à família. Segundo a Polícia Civil, o idoso deve permanecer em liberdade já que o crime prescreveu.

 
De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982 no interior de Santa Catarina — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT
De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982 no interior de Santa Catarina — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT
 

Pierina teve sete filhos, dos quais seis estão vivos. Na época do assassinato eles tinham entre 7 a 19 anos.

Os filhos nunca aceitaram a versão do pai e começaram uma investigação nos últimos meses. Eles entrevistaram autoridades policiais que investigaram o caso na época, enfermeiras e outras testemunhas.

Os seis filhos juntaram documentos, declarações e informações e entregaram ao delegado Daniel Nery. Eles prestaram depoimento por três horas e registraram um boletim de ocorrência.

 

“A gente nunca acreditou na história que ele contou”, disse a família ao G1.

 

 

Dúvidas

 

Os filhos alegam que sempre tiveram dúvidas e ouviram relatos de moradores em Santa Catarina. As pessoas diziam a eles que o pai havia matado a mulher e forjado um assalto.

 

“Depois de três meses de investigação descobrimos que ele teve um caso extraconjugal por mais de dois anos com a empregada. A mãe descobriu e quis se separar. Ele a chantageou e ela contou [sobre a traição] aos irmãos e amigas”, comentou a família.

 

O marido, então, planejou uma viagem sozinho com a mulher até a cidade de São Carlos (SC). O casal saiu de madrugada de casa e ele levou um revólver.

 
Filhos registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil em Lucas do Rio Verde e conversaram com a imprensa — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

Filhos registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil em Lucas do Rio Verde e conversaram com a imprensa — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

No trajeto até o suposto destino, o marido simulou que o pneu do carro havia furado. Ele parou o carro, pegou uma pedra a acertou a cabeça da mulher. Ele ainda arrastou o corpo da vítima até uma sarjeta, atirou no peito dela e a abandonou no local.

O marido, para sustentar a versão, jogou uma pedra no para-brisa e, desde então, sempre contava que a mulher havia sido assassinada em um assalto nessa viagem.

No sábado (18) os seis irmãos se reuniram em Lucas do Rio Verde e indagaram o pai sobre o crime. Na frente dos filhos, ele confessou e detalhou o crime. 

“Ele confessou três vezes sem derramar uma lágrima. Ficamos aliviados, só queríamos a verdade e esclarecer o que aconteceu. Não tem justiça [que pague]”, finalizou a família. 

O idoso justificou aos filhos que, naquela época, a descoberta da traição e, consequentemente a separação, não seriam aceitas pela sociedade. 

“Ele disse que ficaria 'feio'. Ele só se preocupava com a imagem dele”, acrescentou a família. 

O delegado informou ao G1 que, conforme a legislação, trata-se de crime de homicídio, porém prescrito, uma vez que não houve ocultação de cadáver.

De qualquer forma, o boletim de ocorrência registrado em Lucas do Rio Verde será encaminhado para a Polícia Civil de Santa Catarina, que vai decidir se vai abrir uma investigação sobre o caso.


https://www.informativocidade.com.br/noticia/filhos-investigam-descobrem-que-pai-matou-a-mae-em-sc-ha-37-anos-e-denunciam-crime-em-mt

OUVIR NOTÍCIA

Seis irmãos procuraram a delegacia da Polícia Civil em Lucas do Rio Verde, a 360 km de Cuiabá, nessa terça-feira (20) e denunciaram que o pai matou a mãe deles no interior de Quilombo, Santa Catarina, há 37 anos. A vítima foi morta por pedir divórcio após descobrir que o marido tinha um caso com a empregada da família.

De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982. O marido, que hoje tem 78 anos, se casou com a mulher que era empregada do casal, supostamente sua amante na época do crime, e mora em Lucas do Rio Verde. Durante todos esses anos ele dizia aos filhos que a mulher tinha sido assassinada em um assalto.

Depois que os filhos descobriram o crime, o pai confessou e detalhou o assassinato à família. Segundo a Polícia Civil, o idoso deve permanecer em liberdade já que o crime prescreveu.

 
De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982 no interior de Santa Catarina — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT
De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982 no interior de Santa Catarina — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT
 

Pierina teve sete filhos, dos quais seis estão vivos. Na época do assassinato eles tinham entre 7 a 19 anos.

Os filhos nunca aceitaram a versão do pai e começaram uma investigação nos últimos meses. Eles entrevistaram autoridades policiais que investigaram o caso na época, enfermeiras e outras testemunhas.

Os seis filhos juntaram documentos, declarações e informações e entregaram ao delegado Daniel Nery. Eles prestaram depoimento por três horas e registraram um boletim de ocorrência.

 

“A gente nunca acreditou na história que ele contou”, disse a família ao G1.

 

 

Dúvidas

 

Os filhos alegam que sempre tiveram dúvidas e ouviram relatos de moradores em Santa Catarina. As pessoas diziam a eles que o pai havia matado a mulher e forjado um assalto.

 

“Depois de três meses de investigação descobrimos que ele teve um caso extraconjugal por mais de dois anos com a empregada. A mãe descobriu e quis se separar. Ele a chantageou e ela contou [sobre a traição] aos irmãos e amigas”, comentou a família.

 

O marido, então, planejou uma viagem sozinho com a mulher até a cidade de São Carlos (SC). O casal saiu de madrugada de casa e ele levou um revólver.

 
Filhos registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil em Lucas do Rio Verde e conversaram com a imprensa — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

Filhos registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil em Lucas do Rio Verde e conversaram com a imprensa — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

No trajeto até o suposto destino, o marido simulou que o pneu do carro havia furado. Ele parou o carro, pegou uma pedra a acertou a cabeça da mulher. Ele ainda arrastou o corpo da vítima até uma sarjeta, atirou no peito dela e a abandonou no local.

O marido, para sustentar a versão, jogou uma pedra no para-brisa e, desde então, sempre contava que a mulher havia sido assassinada em um assalto nessa viagem.

No sábado (18) os seis irmãos se reuniram em Lucas do Rio Verde e indagaram o pai sobre o crime. Na frente dos filhos, ele confessou e detalhou o crime. 

“Ele confessou três vezes sem derramar uma lágrima. Ficamos aliviados, só queríamos a verdade e esclarecer o que aconteceu. Não tem justiça [que pague]”, finalizou a família. 

O idoso justificou aos filhos que, naquela época, a descoberta da traição e, consequentemente a separação, não seriam aceitas pela sociedade. 

“Ele disse que ficaria 'feio'. Ele só se preocupava com a imagem dele”, acrescentou a família. 

O delegado informou ao G1 que, conforme a legislação, trata-se de crime de homicídio, porém prescrito, uma vez que não houve ocultação de cadáver.

De qualquer forma, o boletim de ocorrência registrado em Lucas do Rio Verde será encaminhado para a Polícia Civil de Santa Catarina, que vai decidir se vai abrir uma investigação sobre o caso.

Fonte

Por Denise Soares, G1 MT

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Geral
Hoje a nossa homenagem vai para o Voz Padrão dos Rodeios Brasileiro Francis Carlos
Hoje a nossa homenagem vai para o Voz Padrão dos Rodeios Brasileiro Francis Carlos
VISUALIZAR
Policial
Homem de 62 anos provoca incêndio e deve pagar R$ 5 mil reais de multa
Homem de 62 anos provoca incêndio e deve pagar R$ 5 mil reais de multa
VISUALIZAR
Policial
Jovem é encontrado morto no Assentamento Bela Manhã em Taquarussu
Jovem é encontrado morto no Assentamento Bela Manhã em Taquarussu
VISUALIZAR
Educação
FORMAÇÃO PRESENCIAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO CURRÍCULO DE REFERÊNCIA DE MATO GROSSO DO SUL
FORMAÇÃO PRESENCIAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO CURRÍCULO DE REFERÊNCIA DE MATO GROSSO DO SUL
VISUALIZAR
AGRICULTURA/PECUARIA
VEM AÍ FEIRA LIVRE EM TAQUARUSSU
VEM AÍ FEIRA LIVRE EM TAQUARUSSU
VISUALIZAR
Taquarussu
Sindicato dos Servidores Públicos Municipais(SINSPUTAQ) convoca todos os sindicalizados para...
Sindicato dos Servidores Públicos Municipais(SINSPUTAQ) convoca todos os sindicalizados para eleiçao nesta quarta-feira
VISUALIZAR
Fale com a redação!